quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Soneto a Camões - Augusto Frederico Schmidt



As tuas mágoas de amor, teus sentimentos
Diante das leis que regem nossas vidas,
Desses fados que dão e logo tiram,
E a que estamos escravos e sujeitos.
.
As tuas dores de amar sem ser amado,
De procurar um bem que não se alcança,
E no canto clamar desesperado
Pelo que nunca vem quando se busca.
.
Poeta de enamoradas impossíveis
E que num negro amor desalteraste
Essa sede de amar dura e terrível,
.
As tuas mágoas de amor, tuas fundas queixas,
Como uma fonte ficarão chorando
Dentro da língua que tornaste eterna.
.

Um comentário:

Danuel Rodrigues disse...

Olá moça bonita! Fiquei muito tempo sem internet e não pude prestigiar seus blogs. Parabéns, eles continuam lindos! Beijos, Daniel!