domingo, 20 de abril de 2008

Distante Amor - Goethe


Eu penso em ti quando o fulgor do sol ardente
reluz do mar;
E penso em ti quando a tranquila fonte
espelha o luar.
.
A ti eu vejo da longínqua estrada
entre a turba e pó;
E, alta noite, por tenebrosa senda,
peregrino e só.
.
Tua voz me fala entre o fragor da vaga
que vem tombando;
Ou, quando em silêncio, lá na selva erma
te estou escutando.
.
Contigo estou, de ti tão longe embora.
'Stás junto a mim!
Já cai o dia... Vêm luzindo os astros ...
Ver-te-ei, enfim?
.
Trad. Bastian Pinto.

Um comentário:

Daniel Rodrigues disse...

A poesia alemã é de peso! Parabéns pela escolha.