terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Do Príncipe ao sim - Elisa Lucinda



O homem que eu amo
veio de tanto eu pedir
mas quando parei de esperá-lo
veio quando eu ao depená-lo
do meu sonho receio,
permiti que em vez de início ou fim
ele no meio de mim
fosse só o meio.
Não meio no sentido tático
de jeito ou de modo.
Meio no sentido de durante
de enquanto
de presente.
Quando abandonei o título futuro
definitivo da eternidade
o rótulo azarento de garantia
no departamento de intimidade,
quando abandonei o desejo
de ressarcir aquilo que perdi na antigüidade,
meu homem chegou cheio de saudade
ocupando inteiro
eu lugar de meio
sua inteira metade.
.

2 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

O AMOR
Amo o amor que se reparte
em beijos, leito e pão.
Amor que pode ser eterno
mas pode ser fugaz.
Amor que se quer liberar
para seguir amando.
Amor divinizado que vem vindo
Amor divinizado que se vai.

Pablo Neruda

Passei para desejar-lhe um final de semana cheio de amor e felicidade.
Abraços

Débora Camargos disse...

L-I-N-D-O!
Seu espaço é muito gostoso! Acompanhar o amor pelo tempo é celebrar a vida!
Bom fim de semana para ti!