sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Por Luís de Camões




Amor é um fogo que arde sem se ver,


é ferida que dói, e não se sente;


é um contentamento descontente,


é dor que desatina sem doer.


.


É um não querer mais que bem querer;


é um andar solitário entre a gente;


é nunca contentar-se de contente;


é um cuidar que ganha em se perder.


.


É querer estar preso por vontade;


é servir a quem vence, o vencedor;


é ter com quem nos mata, lealdade.


.


Mas como causar pode seu favor


nos corações humanos amizade,


se tão contrário a si é o mesmo Amor?


.

3 comentários:

Manoel José de Santana(Manoel Limoeiro) disse...

Lindo suas palavras amiga. Meus parabéns pelo seu blog. Um abraço de: Manoel Limoeiro de Recife-PE.

e-mail:manoeljs127773997@hotmail.com

blog www.gupounidoderodafogo.blogspot.com

Lapa disse...

lindo

Manuel Marques disse...

talvez seja exagero meu considerar este o melhor poema de amor de todos os tempos... ou talvez seja mesmo verdade! A sério, a sério é que é imortal! Beijinhos!