segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Como uma flor vermelha, a abrir - Maria Teresa M. Carrilho




Na noite pálida
e na madrugada
anunciada
sobressais tu,
meu amor
.
O riso e as lágrimas
envolventes
misturam-se
em catadupas quentes
e no meio do riso cheioi
nsolente até,
sobressais tu,
meu amor
.
Apologia, para quê?
tudo está concentrado
vivido
consumado
por causa de ti
e em ti,
meu amor
.
Contigo
o leito do rio distancia-se
e no meio
sobressais tu
no teu esplendor
como uma flor
plena e vermelha
a abrir...
.

Um comentário:

Chica disse...

Muito lindo,Renata! um beijo e tudo sempre por aqui no maior capricho e boa escolha...chica