segunda-feira, 20 de abril de 2009

Essa que eu hei de amar… - Guilherme de Almeida

.
Essa que eu hei de amar perdidamente um dia
será tão loura, e clara, e vagarosa, e bela,
que eu pensarei que é o sol que vem, pela janela,
trazer luz e calor a essa alma escura e fria.
.
E quando ela passar, tudo o que eu não sentia
da vida há de acordar no coração, que vela…
E ela irá como o sol, e eu irei atrás dela
como sombra feliz… — Tudo isso eu me dizia,
.
quando alguém me chamou. Olhei: um vulto louro,
e claro, e vagaroso, e belo, na luz de ouro
do poente, me dizia adeus, como um sol triste…
.
E falou-me de longe: "Eu passei a teu lado,
mas ias tão perdido em teu sonho dourado,
meu pobre sonhador, que nem sequer me viste!"
.

4 comentários:

Anônimo disse...

Esse é o meu poema preferido.
Nada mais sublime que as palavras confessadas a todos os que amam, neste poema de Guilherme de Almeida.

Roberto Moura de Souza disse...

Este foi o primeiro poema que conheci. Muitos anos depois, conheceria minha esposa, que é loira.
Roberto Moura de Souza (poeta)

Rose Tunala disse...

Ei Renata,
Estava pela net em busca dessa poesia e tive a felicidade de encontrá-la no seu blog.
Como vai você querida?

Anônimo disse...

É o poema mais inspirador pra quem acredita no amor claro e vagaroso e belo( o que que as loiras tem que as outras não tem? pouca melanina.Abraços.Visite o site www.recantodasletras.br/autores/pece